Ciclovia geradora de energia solar, foi inaugurada na Alemanha, mais especificamente no bairro de Liblar, em Erftstadt, cidade a cerca de 30 quilômetros ao sudoeste de Colônia.

 

O projeto consiste em uma espécie de tapete composto por pastilhas solares, feitas de vidro laminado nodoso, que cobrem o asfalto. Segundo o inventor do tapete solar e fundador da startup Solmove, o engenheiro Donald Müller-Judex “Esta é uma ciclovia de 35 anos, com desníveis e raízes de árvores. Nós a cobrimos do jeito que estava, colando células fotovoltaicas sobre ela.” Utilizar a ciclovia já existente é uma grande vantagem da nova tecnologia, visto que, construir uma nova via teria um custo muito mais alto.

 

Cada uma dessas pastilhas, de 10 por 10 centímetros, é uma célula solar interligada eletricamente e mecanicamente às outras, formando um tecido flexível. Uma camada de borracha absorve o som e conecta o tapete com a parte inferior.

 

Müller-Judex teve a ideia há alguns anos, quando procurava espaço para sistemas solares na região do Allgäu. Todos os telhados com características apropriadas já estavam ocupados, mas havia muitas ruas pouco movimentadas iluminadas pelo sol. Segundo Donald, na Alemanha há 1,4 bilhão de metros quadrados de ciclovias disponíveis para a produção de energia, situadas em locais de pouca sombra. Essa áreas poderiam ter dupla utilização.

 

A nova pavimentação permite a associação com circuitos de aquecimento para o inverno, iluminação LED, circuitos de indução para o carregamento de veículos elétricos, ou até mesmo de sensores para monitorar e controlar o tráfego, atuando no funcionamento de semáforos, por exemplo.

 

Com a aplicação da ciclovia solar, a administração da cidade não precisará gastar com o serviço de limpeza de neve e gelo durante o inverno, pois a pista poderá se auto descongelar com a eletricidade gerada por ela mesma. O restante da energia vai para a rede e pode ser consumida pelos moradores locais. Müller-Judex afirma que poderão ser gerados cerca de 15 mil quilowatt-hora (kWh) por ano, o que equivale, aproximadamente ao consumo de energia por uma família de quatro pessoas na Alemanha.

 

Afirma Donald “Nós vamos, nos próximos meses, olhar para o monitor e comparar os rendimentos com a produção fotovoltaica normal. Vai demorar dois a três invernos só para testarmos a calefação. Também será necessário algum tempo para se saber como o sistema resiste à geada, à sujeira e ao peso do trânsito.”

 

A construção, de 90 metros de extensão e cerca de 200 metros quadrados, custou cerca de 800 mil euros e foi financiada pela Iniciativa Nacional para Proteção do Clima, do governo alemão. 

 

A demanda pela estrutura é alta, principalmente no exterior. Na China, ônibus devem percorrer cerca de 190 quilômetros nos Jogos Olímpicos de 2022 e se carregarem indutivamente. Esta rota pode ser pavimentada com os módulos da Solmove.

 

 

Quer saber mais sobre energia?

 

Acesse os demais conteúdos do nosso blog e siga nosso Instagram:
@luxfortdobrasil.com.br